TeleHistória
 
O que você procura?
  
HOME TWITTER ORKUT YOU TUBE R7
TV de A a Z »
0-9 | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | L | K | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

TH NEWS  »  NOVELANDO  
  NILSON XAVIER

Descrição


Sobre o autor
Mensal. Publicada todo dia 18
Nilson Xavier é especialista em novelas, criador do site Teledramaturgia e autor do Almanaque da Telenovela Brasileira

  INICIAL DE COLUNAS | NOTÍCIAS | COLUNAS | PODCASTS | VÍDEOS | ESPECIAIS

EM DESTAQUE Visite o portal Bebidas e Afins, o mais novo integrante da família Tele História
 
 
Domingo | 21 de setembro de 2008 | 00:17
 
 
 
J. Silvestre: "Esta é a sua vida"

 
 
Enviar Imprimir Adicionar aos favoritos Tornar sua inicial Comentar
 
 
 
João Silvestre, filho de imigrantes italianos, nasceu em 1922, na cidade de Salto, interior do Estado de São Paulo. Quando chegou à adolescência, sua família mudou-se para São Paulo e, na Capital, o garoto se apaixonou pelo rádio.

Sua carreira profissional começou em 1941, na Rádio Bandeirantes, quando tinha apenas 19 anos de idade. Devido a sua voz marcante iniciou como locutor, mas de 1941 a 1945 foi adquirindo experiência nas diversas áreas. Foi sonoplasta, contra-regra, ator, diretor e começou também sua carreira como autor. Foi nesse período que surgiram suas primeiras novelas, contos e peças para o rádio-teatro.

Em 1945, foi contratado pela Rádio Tupi do Rio de Janeiro e foi ali que descobriu sua faceta de publicitário produzindo para a agência Standard. Porém, sua estadia na então Capital da República durou apenas um ano, pois em 1946 estava de volta a São Paulo tendo sido contratado pela Rádio Cultura como autor, diretor e autor de rádio-teatro. Ainda na Rádio Cultura, em 1947, iniciou sua carreira como animador e apresentador de programas de auditório, começando com um programa de calouros.

Mesmo tendo ficado apenas um ano no Rio de Janeiro sua passagem ficou marcada, assim, em 1950, foi novamente contrato pela Tupi do Rio e no mês de setembro desse ano participou como apresentador da primeira transmissão da Tv Tupi, em caráter experimental, num programa estrelado por Frei José Mojica. Bastou essa experiência para que J. Silvestre se apaixonasse pela televisão.

Em 1952, transferiu-se novamente para São Paulo, permanecendo na TV Tupi, e foi, na época, um dos primeiros profissionais brasileiros a escrever e interpretar telenovelas. Entre elas a de maior destaque, "Os Quatro Filhos".

Durante os quatro anos que permaneceu da TV Tupi de São Paulo acumulou uma vasta bagagem de contos, novelas e peças de rádio-teatro e ainda encontrou tempo para uma experiência como autor e ator de teatro, no Teatro de Arena.

Em 1956, na televisão, J. Silvestre iniciou o seu maior sucesso como apresentador lançando o programa "O Céu é o Limite", um programa de perguntas e respostas, em que era auxiliado pela garota-propaganda da Varig, Ilka Soares, e que ia ao ar todas as segundas-feiras. Nesse programa a jovem Leni Orcida Varela, do bairro carioca da Pavuna, ganhou notoriedade ao responder sobre o poeta português Guerra Junqueiro. Ela ganhou a simpatia do público e, em 1969, casou-se diante das câmeras da Tupi, tendo J. Silvestre como padrinho. Ficou conhecida como a "Noivinha da Pavuna".

Uma outra criação de J. Silvestre que fez muito sucesso foi "Essa é a sua vida", onde as personalidades focalizadas eram pegas de surpresa e viam toda sua vida ser contada por familiares e amigos.

Já então consagrado pela televisão, inaugurou várias emissoras em todo o país e ainda pôde dedicar-se à propaganda, vivendo um período profissional de contínuas viagens no eixo Rio - São Paulo, para atender a compromissos nas duas cidades. Com o advento da Embratel, lançou o primeiro programa em cadeia no Brasil: "Domingo Alegre da Bondade", originado na TV Tupi do Rio.

Em 1972 afastou-se da TV, só voltando em 1976 com um programa jornalístico diário de fim de noite. Nesse período, ausente do vídeo, dedicou-se ao livro "Como Vencer na Televisão". Convidado pelo então presidente João Figueiredo, tomou posse como presidente da Rádiobrás, em Brasília.

J. Silvestre prosseguiu sua carreira nos anos 80, no SBT: Show Sem Limite e A Mulher é um Show e na TV Bandeirantes, Programa J. Silvestre (no mesmo formato do Show Sem Limite) e Essas Mulheres Maravilhosas, sempre com muito sucesso, sempre líder de audiência no seu horário. Ainda na Bandeirantes, criou uma serie de programas diários de prêmios e variedades com novos apresentadores.

Em apresentações especiais na Rede Globo, homenageou personalidades como Renato Aragão e Xuxa com um de seus quadros mais conhecidos: "Essa é a Sua Vida". Estes especiais foram repetidos varias vezes na Rede Globo.

Sua última participou na televisão brasileira foi em 1997, na TV Manchete, com o programa "Domingo Milionário". Pela primeira vez J. Silvestre não teve participação na produção ou formulação e o programa nunca refletiu suas idéias. Nessa época, já morava com a mulher e seus quatro filhos em Fort Lauderdalle, Florida, Estados Unidos, onde faleceu no dia 07 de janeiro de 2000, por insuficiência respiratória.

  • Leia mais textos do MEMORIOL no site do jornal Tribuna Ribeirão
  •  

    NOTÍCIAS RELACIONADAS
     
     
    Era uma vez na TV: A febre dos game shows na TV começou com O Céu é o Lim
     
    J. Silvestre: "Esta é a sua vida"
     
    J. Silvestre ensina como vencer na televisão
     
     
     
     
    LINKS PATROCINADOS
     
     
     
    ComentarLer os comentários
     
     
    COMENTÁRIOS
     
     
     
    ROSANGELA LOMBARDI
    araraquara - SP
    Sidney gostaria de falar com voce

    Grata

    Rosangela
     
    Saulo de Araujo Brito
    Patos - PB
    Ôi Pessoal,

    Fui protagonista infantil de um documentário sobre a história de Campina Grande - "O menino de Campina Grande", produzido pela equipe de Carlos Gaspar projeto A Grande Jornada" da Varig, e até o dia de hoje, nunca tive ótícias sobre o filme.
    Se alguém souber notícias sobre este material, por favor, avise-me!
    Fico muito grato !

    Saulo Araujo
     
    SIDNEY MARIANO DA CRUZ
    SÃO PAULO - SP
    OLÁ AMIGOS! SOU NETO DO SR. NEMÉSIO MARIANO DA CRUZFALECIDO, ONDE EM 11/03/1968 NA EXTINTA TV TUPI CANAL 4, PARTICIPOU COMO HOMENAGEADO NO PROGRAMA "ESTA É A SUA VIDA", APRESENTADO PELO SR. CARLOS GASPAR NA ÉPOCA. ENTRETANTO NÃO ESTOU CONSEGUINDO INFORMAÇÕES SOBRE ESTE EVENTO. POSSUO EM MEU PODER O ORIGINAL DO SCRIPT ASSINADO PELO SR. CARLOS GASPAR E DEIXADO COMO LEMBRANÇA A ELE NO DIA. SE ALGUÉM PORVENTURA TIVER ALGUMA INFORMAÇÃO SOBRE ESTE PROGRAMAELE É O Nº 25 ENTRE EM CONTATO. OBRIGADO.
     
    hercoles jaci
    bh - MG
    algumas correções: quando a noivinha da pavuna respondeu sobre guerra junqueiro em 1969 o programa chamava-se show sem limite. j. silvestre trabalhou como ator na tv na novela os quatro filhos por volta de 66/67.
     
    ivana
    ssa - BA
    gostaria muito de rever em video as imagens marcantes daquela homenagem feita por j.silvestre a renato aragão e a xuxa...simplesmente emocionante!!
     
    teofilo filho
    belo horizonte - MG
    olha ,tenho imenso respeito pelo j.silvestre,mas tenho que fazer uma observção quanto ao programa por ele apresentado,que trata de "esta é a sua vida" onde tenho que contradizer ,salvo engano.tenho 64 anos ,era eu menino ,me recordo bem que uma parafernalha ,pertencente a extinta tv itacolomy,foi montada na frente de minha casa para transmitir este programa com o jornalista apresentador carlos gaspar.isto la pelos idos de 1959,depois que o programa deixou de ser apresentado,o mesmo cartlos gaspar passou a apresentar "a grande jornada"patrocinada pela vasp. este comentario visa colher dados destes dois programa que se perderam com o tempo.qualquer noticia a respeito será bem vinda.
    muito obrigado
     
     
    NOME
    E-MAIL
    CIDADE
    ESTADO
    COMENTÁRIO
    DIGITE O CÓDIGO DE SEGURANÇA: CÓDIGO DE SEGURANÇA: 1414

     
     
    NOSSOS PARCEIROS
     
     


    PUBLICIDADE

     
    Arquivo Revista TH: Como chegar aos 50 anos de televisão com pique e sucesso?
    Arquivo Revista TH: Mauro Alencar transforma "Selva de Pedra" em romance
    Arquivo Revista TH: Manoel Carlos: "Gosto de escrever sobre o lugar em que vivo"
    Mamonas Assassinas, o cometa da alegria
    Arquivo Revista TH: Paladar - um pedaço de "Vale Tudo" em Cuba
         » Todos os textos da seção
     
     
     
     
    Rodrigo Pagliani é o novo apresentador do "Balanço Geral SP" manhã
    SET anuncia acordo tecnológico com associação de TVs universitárias
    Dissertação de mestrado: curso Memória Televisiva e a História da Telenovela Brasileira
    Memória televisiva e o Canal Viva são tema de dissertação de Mestrado em Comunicação aprovada na Metodista
    WeShape explora poder da música na campanha da novela Água Viva
    Balanço Geral de Ribeirão Preto bate recorde no interior paulista
    Balanço Geral, ao vivo, direto da esplanada do Theatro Pedro II
    "Balanço Geral", ao vivo, direto da esplanada do Theatro Pedro II
    Os incêndios se sucediam e a memória da nossa TV se perdia em cada um deles
    Pedro & Bianca ganha o Prêmio Prix Jeunesse Iberoamericano
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
    Insensato Coração
     
    Ti-ti-ti
     
    Araguaia
     
    Ribeirão do Tempo
     
    O Clone
     
    Vale Tudo
     
    Morde & Assopra
     
    Cordel Encantado
     
     
     


    TeleHistória © Tele História - 2010 | Desenvolvimento: swTH Scuzinet Comunicação & Web

    CANAIS
    EMISSORAS
    ESPORTIVOS
    HUMORÍSTICOS
    INFANTIS
    JORNALÍSTICOS
    NOVELAS
    PROGRAMAS
    PESSOAS
    ARTISTAS
    AUTORES
    JORNALISTAS
    PERSONALIDADES
    NOTÍCIAS
    NOTÍCIAS
    COLUNAS
    PODCASTS
    VÍDEOS
    ESPECIAIS
    SEÇÕES
    CONTROLE REMOTO
    LISTAS DO TH
       
               
    Caso alguma foto inserida neste site seja protegida por direitos autorais ou esteja sem o devido crédito, favor entrar em contato
    Quem Somos | Nossa equipe | Anuncie no TH | Acessibilidade | Comunicar erros | Contato | Perguntas frequentes | Política de privacidade

    O carregamento se completou em 3,53 segundos